Ela tem 21 anos, é vegetariana, fotógrafa, se aventurou pro Alaska e não pensa em outra coisa a não ser voltar pra lá. A Eveline Medeiros (ela gosta que chamem de Ev) é a gaúcha mais amor que tive a oportunidade de conhecer quando fui ao Rio Grande do Sul. Hoje trago fotos diretamete do Alaska e 4 perguntas respondidas pra quem quer ir pro estado americano mais gelado!
Quando ela foi pros Estados Unidos, em 2013, teve a oportunidade de passar umas semanas no estado que faz divisa com o Canadá. E não é que ela acabou passando uns 2 meses por lá? A guria viu e clicou a Aurora Boreal, foi voluntária numa corrida de cães de trenó, fez amigos e conheceu a história dos nativos do lugar. Ah, e se eu te contar que ela filmou tudo? No canal do YouTube tem um monte de vídeos que ela fez pra explicar os preparativos da viagem e mais um monte mostrando o maior frio que ela passou na vida. Dá pra morrer de vontade de ir pro Alaska com ela, né?

#1 Quando e como você se identificou com o lugar decidiu que tinha que ir pro Alaska?
O Alaska sempre foi uma vontade desde que me conheço por gente. Sempre falava: eu não aguento mais esse calor, vou me mudar pro Alaska! Mas não tinha a mínima ideia de onde era o Alaska e o que tinha lá, só falava que iria fugir pro Alaska e tinha isso em mim, não sei muito bem explicar, só estava ali desde sempre, acho que todo mundo tem um lugar que o coração bate mais forte e a gente nem sabe de onde isso tudo veio.

#2 Qual a experiência da viagem que mais mudou a sua visão de mundo?
Ai, não me faz chorar. É difícil escolher um momento pois só de aterrissar no aeroporto já foi uma sensação inexplicável, ver aquela neve toda! Mas tenho quase certeza que foi quando fui para o primeiro tour da aurora boreal. Enquanto esperávamos a aurora aparecer eu estava lá no meio do nada, no meio da floresta, com várias camadas de roupas, deitada no chão duro de neve, na escuridão total e em alguns metros havia árvores e um silêncio vindo de lá, foi naquele momento que eu percebi o quão longe eu tinha chegado. Senti a energia daquele lugar e o que ele fazia comigo. Eu naquele momento era a pessoa mais feliz e mais completa do mundo, eu não precisava mais de nada!

#3 Quais foram os principais preparativos para a viagem? Foi difícil lidar com o frio? 
Os primeiros preparativos foram no impulso quando vi que tinha milhas para resgatar na American Airlines. Fui pro Google e pesquisei por horas seguidas.. Fiquei obcecada e no mesmo dia eu já tinha escolhido a cidade, o hotel.. E isso era basicamente o que eu tinha de informação pois no Google tu não consegue achar muitas informações.. Por isso que resolvi falar sobre isso na internet! Os outros preparativos foram pra ver o que eu iria fazer por lá, reservar passeios turísticos e comprar roupas. Sobre o frio, antes de sair daqui eu estava em choque porque quando via a temperatura estava em torno de -50 graus, e eu comecei a me perguntar se agüentaria tanto, mas quando cheguei lá eu amei. Senti frio de até -35 graus celsius e pra mim foi muito tranquilo. Eu amava sentir meus dedos congelando, meu rosto doendo de frio mas confesso que não é pra todo mundo. Eu que sou a louca do frio mesmo!

#4 Se pudesse dar uma dica pra alguém que está indo pegar uma neve no pólo norte qual seria a coisa mais importante?
Camadas! Muitas camadas de roupa porque você vai tirar todas essas camadas quando chegar nos lugares quentes. Tem os hand warmers (são saquinhos que tu agita e coloca dentro das botas, luvas, bolsos e eles ficam quentes) que são bem importantes principalmente se tu vai ficar muitas horas do lado de fora.. Uma boa bota de neve e um bom casaco: você só precisa de um de cada! Não adianta comprar dois mais ou menos porque são itens muito indispensáveis. E sempre lembre: você não é nativo! Então não importa se você ver pessoas de tênis e camiseta, VOCÊ VAI SENTIR FRIO! VOCÊ VAI CONGELAR, então não se faça de valente! 

Fora o monte de experiências adquiridas por ela nessa viagem a moça conseguiu produzir um documentário sobre pessoas que se sentem em casa em outros lugares. É um vídeo de quase 6 minutos com depoimentos de pessoas que estavam nos Estados Unidos falando um pouco sobre como mudanças drásticas ocorridas na vida e essa identificação com cidades e lugares novos.

“Eu sou do Brasil, mas me sinto em casa no Alaska. Fevereiro de 2013, quando cheguei em Fairbanks – AK não imaginava o que me esperava além de frio neve. Surpreendentemente além de realizar meu sonho, achei o meu lugar no mundo, o lugar onde a felicidade era total, onde ser feliz era simples só por estar onde eu deveria estar. Levada por este sentimento quis saber onde é o lugar no mundo de algumas pessoas, se essas pessoas tem esse lugar e onde elas realmente se sentem em casa, se sentem felizes, se sentem bem ao se imaginar lá o resto da vida. Onde é sua casa? Onde você se sente em casa?”

Essa moça bonita da foto, completamente coberta de neve é a própria! Você pode conferir abaixo os principais links pros trabalhos da Ev! E pra quem quiser saber também ela tem uma lojinha de produtos artesanais que envia pra todo o Brasil.

Loja Jagadeesha
Flickr – Fotos da viagem
Blog Por Mim – Especial Alaska
YouTube – Diário de Viagem